Nomes Mágicos

Nomear é ter controle sobre o que se nomeia, não é? Que tal se dar um nome?!


Siga-nos também nas redes sociais, para mais informações. E já te convido para o nosso grupo de estudos, no WhatsApp! Todos os nossos links estão disponíveis aqui! Sempre que tem alguma novidade, como sorteios para os nossos leitores, seguidores e clientes, a gente comunica por lá. E, quem está no grupo fica sabendo de tudo do Bruxo de Lua em primeira mão, além de poder tirar dúvidas diretamente conosco.

E não deixa de entrar em contato se quiser contratar algum produto ou serviço. Tem um link direto para contato conosco através do WhatsApp Bruxo de Lua, caso precise de algum serviço de oraculismo, encantamento, ou magia, no geral.

Bênçãos, e boa jornada!


O nome de Rá


Há uma história nos mitos e lendas egípcios que conta que Ísis, senhora da magia, desejava saber o nome de todas as coisas. Rá tinha muitos, diversos, nomes, muitos deles ocultos até mesmo aos deuses. Ísis, como era de se esperar, desejava saber o nome oculto de Rá, para talvez, atrair um pouco de sua influência e poder. Como talvez o deus mais poderoso, o sábio Rá não o daria para ela, ao menos de bom grado. Sabia que, assim, Ísis teria acesso aos seus poderes. Entretanto, Rá já encontrava-se velho e cansado, em sua trajetória pelo céu, e chegava a babar. Ísis era astuta, e recolheu um pouco de sua saliva, e com mais um bocado de terra moldou uma serpente com o único objetivo de picar o deus, e envenená-lo, para que pudesse suborná-lo, com a cura; em troca, tudo o que ele teria que fazer era lhe dar o seu nome. O deus relutou em fazê-lo, mas ao ver que o veneno era muito forte, afinal era feito dele mesmo, não teve outra escolha. Foi salvo, mas o custo foi o conhecimento do seu nome oculto.

Esta ilustração maravilhosa, acima, é de autoria de “Christine Le Brun de Vielmond“.

Nome Mágico

Muitas vezes as pessoas sentem que o nome que foi dado a elas, quando ainda não tinham capacidade de escolher um, não define a sua identidade mágica. Ou simplesmente querem adotar um outro nome para simbolizar um recomeço de suas vidas, agora, sob uma nova perspectiva. E para isso, escolhem algo que fale mais de si, ou que possa atrair algum tipo de energia para si. E esse nome, carregado com suas simbologias próprias, ou as pessoais atribuídas, vibra magicamente.

“Nome da Arte” ou “Nome Mágico”?

É muito comum se ouvir por aí que uma pessoa deve ter um nome “da Arte” e um nome “Mágico”, ou até mesmo mais de um. O que significa isso? Basicamente, que é bom ter mais de um nome mágico. (Risos.)

O que é dito como Nome da Arte é o nome com o qual a pessoa se apresenta para as demais pessoas de seu convívio de práticas mágicas (ou não), é o nome através do qual esta pessoa se torna conhecida na comunidade mágica, caso não queira utilizar o nome de registro. Entretanto, as pessoas esquecem que ainda que seja chamado de nome “da Arte” não deixa de ser “Mágico”, porque tem uma finalidade mágica, um propósito, e representa alguém magicamente.

O Nome Mágico Oculto, de fato, é algo extremamente íntimo. Algo que a pessoa não revela para qualquer pessoa, como uma forma de se resguardar. Muitas vezes é algo imensamente íntimo, que é dividido apenas com as pessoas que têm laços mágicos, muito provavelmente iniciáticos, ou de tradição. Não é algo que se fala para qualquer pessoa. É com este nome que a pessoa se apresenta aos deuses, em sua intimidade.

Como escolher um nome mágico?

Há inúmeras possibilidades!

• Escolha por Afinidade
Você pode simplesmente escolher: o nome de um animal ao qual você sente ter conexão, ou o de uma flor, de uma fase da Lua, de um planeta, de uma divindade, de uma estação do ano, um sabá… Tenha em mente que o nome em si já vai atrair a energia que a própria coisa emite. Para o caso de divindades, medite com a divindade antes! Pergunte se ela te autoriza a usar o nome!

• Jornada Interior
Você pode meditar, fazer uma jornada de autoconhecimento, dentro de si, e buscar em si mesmo um nome que te represente.

• Inspiração Divina
Durante um ritual, pode pedir às suas divindades de culto que te abençoem com a intuição de um nome que possa te representar magicamente.

• Numerologia
Neste caso, você escolhe um nome para si baseado em algum sistema numerológico. Cada letra corresponde a um número, na tabela numerológica. Normalmente, você soma todos os números equivalentes a todas as letras, (soma novamente se der um número de dois dígitos), até que obtenha um número de um dígito. O resumo de um nome é as somas de todos os números até que se obtenha apenas um. Cada número tem uma simbologia diferente, e você pode conferir facilmente em sites de numerologia.

Você pode associar a numerologia do nome à carta correspondente do Tarô (para isso você só soma novamente, se o número obtido com a soma for maior que 22 – quantidade de arcanos maiores), ou à runa correspondente (para isso, só soma novamente se o número obtido com a soma for maior que 24 – número de Runas do Futhark Ancião), e por aí sucessivamente. Escolha com sabedoria.

• Tradução
Pode escolher um nome que represente algo que gosta em outro idioma, mas tenha o cuidado de pesquisar com cautela os seus diversos significados e a grafia correta do nome. Convenhamos: você não vai se apresentar sem saber ao menos pronunciar corretamente o seu nome, não é? Saiba ao menos dizer o seu nome, sem se complicar! Não passe vergonha, passe a limpo.

• Acontecimentos
Às vezes acontece algo, que te dá uma nova perspectiva da vida, do mundo, de tudo. Algo que simboliza um renascimento para ti. Caso seja o caso.

“Escolhi um nome mágico!
O que faço em seguida?”

Consagre-o! Um nome mágico está ligado a você, e funciona como uma ferramenta de direcionamento energético. Consagre-o para que te traga boas energias ou bênçãos.

Eu escolhi Luã Musi para me representar na comunidade pagã. Meu nome da arte tem várias simbologias e significados para mim. Luãpara mim, significa “da Lua”, e é um dos símbolos do primeiro deus que se apresentou a mim, ao longo da minha caminhada mágica: Shiva. Eu também sou músico. Primeiramente, quando pensei em Musi, foi justamente para ter presente essa energia musical na minha caminhada mágica. Mas aí pensei também nas nove Musas da mitologia grega, onde cada uma delas tem uma aptidão e predileção artística. Pedi que abençoassem esse nome com dons artísticos. E também, para que todas as vezes que eu me sentisse pra baixo a respeito da minha aparência e dos problemas que eu tive com relação a isto, este nome me ajudasse a lembrar que sou, e me sentir como, um ‘muso’. Por mais que seja engraçado ou talvez bobo, esse nome tem um significado enorme pra mim, e o defendo com honra.

Passei um tempo “provando” este nome, levando em consideração sua sonoridade e escrita, e me habituando à sua energia, e só então me apresentei com ele, depois de me apresentar primeiramente às minhas divindades de culto, em um ritual que pode ser entendido como um rito de autodedicação.

“Montei o ritual, e tracei o círculo, confiante. Voltando-me para as direções energéticas convidei os Elementos e suas representações elementais, e por fim minhas divindades de culto, e comecei o processo. Me apresentei a eles com o nome, contei o propósito deste nome para mim, e o que queria que me trouxesse. Meditei com eles dentro do círculo, e me senti como nunca antes, renascido! Em seguida, escrevi este nome em um pedaço de papel, colocando nele as minhas intenções, e terminei o ritual, “ativando-o”, queimando-o no caldeirão. Aliás, quando acendi o caldeirão, fiquei surpreso com a  quantidade de energia que senti, como se tivesse havido uma pequena explosão, muito mais além aos vapores do álcool. Ao jogar o papel com o meu nome lá dentro, me senti vivo. Inteiro. Me despedi dos convidados ao círculo com respeito e gratitude, todo bobo, e terminei o ritual. Estava feito. Neste momento, Luã Musi surgiu.”

Eu espero que quando (se) decidirem passar por algum tipo de rito de iniciação, possa ser algo tão único quanto foi para mim. 

“Meu nome não me representa mais…
E agora?!”

Mude! O Multiverso passa por mudança o tempo todo, não deve ser diferente conosco. A partir do momento que um nome não te representar mais, adote outro. Mas não faça disto – mudar de nome – uma brincadeira, um esporte ou uma necessidade. Tenha respeito com o nome que escolheu. Pense muito bem! Se não tem certeza, não adote para si!

Nomes carregam poder, carregam uma egrégora mágica que se mantém com o uso. A partir do momento que você não os usa mais, eles perdem a força.

Importante!

  • Não é obrigatório adotar um Nome Mágico ou da Arte, isso é individual; porém, é aconselhável.
  • Se alguém se apresenta a você utilizando seu nome da Arte, é porque deseja ser chamado por ele, principalmente se você não fizer parte do círculo social não-mágico de conhecidos desta pessoa.
  • É de bom tom chamar alguém por seu nome da Arte: é como atestar ao Multiverso que aquela identidade mágica existe.
  • Na maioria das vezes, o nome é consagrado para o uso, podendo canalizar algo, sendo também uma ferramenta mágica. É um nome sagrado para quem o usa. Então não faça brincadeiras com o nome de outrem. Aja com respeito!

Luã Musi

http://www.bruxodelua.com
@bruxodelua

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s