Ancestrais & Magia

Caminhando, eu escuto algo mais profundo. De repente, todos os meus ancestrais estão atrás de mim. Fique quieta, eles dizem. Veja e ouça. Você é o resultado do amor de milhares.” (Linda Hogan)


Siga-nos também nas redes sociais, para mais informações. E já te convido para o nosso grupo de estudos, no WhatsApp! Todos os nossos links estão disponíveis aqui! Sempre que tem alguma novidade, como sorteios para os nossos leitores, seguidores e clientes, a gente comunica por lá. E, quem está no grupo fica sabendo de tudo do Bruxo de Lua em primeira mão, além de poder tirar dúvidas diretamente conosco.

E não deixa de entrar em contato se quiser contratar algum produto ou serviço. Tem um link direto para contato conosco através do WhatsApp Bruxo de Lua, caso precise de algum serviço de oraculismo, encantamento, ou magia, no geral.

Bênçãos, e boa jornada!


Linhagens Ancestrais

Normalmente, quando se fala em ancestralidade, a primeira imagem que nos vêm é um monte de pessoas que vieram antes de nós, e às quais estamos ligades por laços sanguíneos. Mas quem de fato são os nossos ancestrais? São as pessoas que vieram (e/ou se foram) antes de nós. As pessoas que contribuíram de alguma maneira para que pudéssemos ser o que somos hoje. A linhagem mais comum é a de sangue, e talvez seja a mais poderosa, pelo fato de ser muito mais antiga e ter muito mais gente. Mas isto não é a extrema garantia. Existem várias outras linhagens ancestrais que nada têm a ver com o sangue.

E a todas as linhagens podemos prestar culto, e honrar sua trajetória. Relembrar seus feitos. Agradecer por quem foram, pelo legado que deixaram, e como a sua caminhada resultou em quem somos e o que nos tornamos hoje. Abaixo, as linhagens mais conhecidas e difundidas na bruxaria.

• Linhagem da Água: Ancestrais da Carne e do Sangue
Esta linhagem contempla todos os membros que possuem algum parentesco sanguíneo conosco. a linhagem da água representa a nossa árvore genealógica. Pais, avós, bisavós, tataravós, familiares em geral. São todas as pessoas que estão ligadas a nós através do sangue que corre em nossas veias. Trabalhar com esta linhagem é interessante para resolver questões que tenham, de fato, a ver com questões familiares. Indo desde conflitos internos com parentes a resgate de dons mágicos inerentes à família.

• Linhagem da Terra: Ancestrais da Pele e dos Ossos
São os ancestrais que têm ligação ao local onde você chama de lar. Sua terra natal, ou o local onde mora, ou as pessoas que ajudaram a sua comunidade a ser construída… e muito mais além: os habitantes iniciais da sua terra. Para nós, brasileires, é muito importante ressaltar a importância que os povos indígenas originários desta terra têm nesta linhagem. Não somente pelo que eles construíram, mas também pelo que nós destruímos e destituímos deles, e se perdeu. Você pode buscar se conectar com esta linhagem, honrando-a, para trabalhar questões que tenham a ver com a localidade por onde você caminha. Lembre-se que antes de você passar por ali, muitas outras pessoas já passaram, viveram, sentiram, busque aprender com elas, e abra-se para ouvir.

• Linhagem do Ar: Ancestrais da Voz e das Histórias
Estes são os ancestrais que te inspiraram através do poder das palavras, ou mais. Obras literárias, pinturas, dados, informações, histórias, ciência! Todas as pessoas que, de alguma forma, contribuíram para a formação de quem você é quanto ao que cabe às artes e à formação do seu mental se enquadram nesta categoria. São pessoas que em linhas, falas, encenações, textos, ou além, te inspiraram e te moldaram. Te apresentaram a novas percepções, te fizeram pensar, mudar de opinião, te ajudaram a trilhar o seu caminho te enchendo de inspiração. Com estes ancestrais você pode trabalhar questões mais relacionadas a autoconhecimento e autodescoberta, e é incrível o quanto podemos aprender sobre nós mesmes observando outras pessoas.

Eu costumo enquadrar nesta categoria acima o meu avô materno, também. Ele se chamava José Sinésio, e tinha o dom de contar histórias. Muitas delas eram coisas que aconteciam com ele, desde muito pequeno, outras eram fábulas e contos que mesclavam o cotidiano sertanejo a boas doses de bom humor, misticismo, crendices populares e esperança. E em um nítido vocabulário de uma pessoa que não teve acesso a letramento, me inspirou a sonhar, a imaginar, e a perceber que existem outras realidades além da minha, sobretudo as ficcionais.

• Linhagem do Fogo: Ancestrais da Vontade e das Escolhas
Aqui se enquadram aqueles que te “criaram”, te nutriram, contribuíram diretamente para a sua formação e expressão da sua vontade, quanto ser humano em comunidade. Professores, amigos, líderes, vizinhos, pessoas próximas que estiveram presentes quando a sua família não podia estar. Podemos dizer que são sua família de “escolha”, também, gente que te acolheu e te nutriu, de alguma forma. Trabalhe com estes ancestrais questões relacionadas à sua capacidade de expressar sua vontade, ou talvez, influenciar a vida de outras pessoas, nutrindo-as, também.

• Linhagem do Espírito: Ancestrais da Magia e da Tradição
De certo, todas as pessoas que geraram um impacto importante na sua trajetória mágica, religiosa e/ou espiritual. Líderes espirituais falecidos, aliados mágicos, iniciadores, mentores, acadêmicos da magia, referências dentro da sua espiritualidade, e todas as pessoas que tiveram alguma importância para a forma com a qual você pratica e vive a magia. Pode trabalhar com eles questões de descobertas e desenvolvimento da sua magia.

Como os ancestrais podem ajudar na sua vida?

Curar alguma ferida causada pela sua ancestralidade é a garantia de que esta questão não trará mais sofrimento a você e às futuras gerações desta linhagem.

Outra coisa que gostaria de explicitar, agora como uma opinião mais pessoal, é que os ancestrais estão sempre conosco. De forma que, desde o primeiro contato, eles se mostram solícitos a ajudar. Me aconteceu uma situação em que eu senti que deveria começar a contatar os meus ancestrais. Me concentrei em sua energia, os chamei para mais perto, mentalizei tudo o que eu sentia, enquanto conversava com eles, e pedi aconselhamento. Pedi que me mostrassem uma maneira de encarar a situação que foi o pivô do contato. Muito que displicentemente, comecei a arrumar as minhas pastas, no Pinterest, nem dando por mim que esta foi a maneira que escolheram para falar comigo (isto eu só entendi depois). Passei por um pin que dizia “você não pode mudar aquilo que você se recusa a confrontar”. E tão rápido quanto eu li, rápido eu entendi que esta era claramente a mensagem deles. Como uma pessoa muito racional, sempre tendo a pensar demais a respeito dos sinais que recebo, tendo a analisar com  muita calma (o que às vezes mais atrapalha do que ajuda), e para fazer sentido tem que ser ao menos racional. Mas desta vez ficou muito claro, e obviamente, eu não ia deixar passar. E isto me deu força para começar a resolver o problema. Eu senti como se todos os meus ancestrais estivessem torcendo por mim, e esta sensação eu nunca vou esquecer.

E mais, seus ancestrais são como um exército espiritual, que poderá trabalhar com você para resolver questões que tenham importância para ti, e que tenha relação com eles. Como pessoas desencarnadas, que certamente viveram experiências diferentes, têm pontos de vista diferentes ou relativos aos seus. E, aliás, em algumas coisas terão conhecimentos que você não possui, e através de sinais, poderão te inspirar. Para se comunicar com os seus ancestrais não é preciso ter um Altar Ancestral, mas levando em consideração que um altar é uma ancoramento de energias, é altamente recomendado montar um.

Altar Ancestral

Um altar ancestral funciona como um altar mágico comum. A única diferença é que todos os trabalhos realizados nele terão como foco a ancestralidade e as linhagens de quem o monta.

Para os exemplos a seguir, levemos em consideração a Linhagem da Água, ou seja, os Ancestrais da Carne e do Sangue. Que são os ancestrais mais honrados em altares ao redor do mundo. A partir dos exemplos, você pode adaptar para as outras linhagens, e não tem problema nenhum cultuar e honrar todas elas no mesmo altar.

O que ter em um altar ancestral?

Antes de tudo, qualquer coisa que te remeta à sua ancestralidade. Pode forrar seu altar ancestral com um tecido que tenha relação com sua ancestralidade, seja pelas cores ou pela fabricação, e também pode não forrar com nada. Mas é importante ter um espaço bem delimitado. Colocar coisas que tenham sido de ancestrais seus pode ser uma boa ideia. E fotos são muito bem-vindas, quando não, seus nomes, ou apenas os sobrenomes. Você também pode ter uma planta para representar sua árvore genealógica, e também para energizar seu altar com um pouco de vida. É uma ideia legal, para você, ter um caderninho onde você pode colocar informações sobre eles, e deixar sempre no altar? Até mesmo como uma forma de honrar quem foram, o que fizeram, e como contribuíram para a sua vida, E eternizar o que lembra deles. Lembre-se do impacto que causaram na sua existência. O que o que é lembrado vive, continua a existir.

Para mim, seria o máximo que todos os meus descendentes conhecessem o meu avô materno. Vovô José. E isto é algo que eu sempre irei fazer questão de contar, como ele era, o que costumava fazer, como o fato de ele ser um contador de histórias me tornou uma pessoa capaz de ter os pés no chão e acreditar na fantasia. Ele era maravilhoso. Eu sou uma pessoa muito melhor por ter sido seu neto. E sou grato por tudo isto!

Especialmente para quem trabalha com os quatro Elementos, é muito bom ter uma representação de cada um deles no altar. Pode usar um cálice para por a Água (que inclusive, pode ser uma oferenda), um cristal ou pedra para representar a Terra, um incenso ou sino representando o Ar, e muito importante, uma vela representando o Fogo. Quando você acende uma vela com uma intenção, a luz e o calor emitem energia, que vira uma espécie de “farol”, para o mundo espiritual. É como se você avisasse aos seus ancestrais que tem uma oferenda para eles, ou que deseja comunicar-se com eles. Tenha um caldeirão ou vasilha específica para queimar oferendas aos ancestrais, também, certamente, precisa consagrá-lo com esta função.

Obviamente, você precisa colocar barreiras mágicas. Como em tudo na magia. Nem tode ancestral que você tem é benéfico para você ou tem a obrigação de gostar de você. E tudo bem com isto! Imagine que ao direcionar uma prece aos seus ancestrais, você está se dirigindo a todos eles, inclusive aqueles que porventura possam não concordar com alguns posicionamentos seus, como por exemplo espiritualidade e práticas religiosas, opiniões políticas, gostos, valores morais… Lembre-se de encantar seu altar ancestral para ser uma ferramenta de contato o mais específico possível. E como você faz isto?

No momento em que decidir criar um altar ancestral, pode consagrá-lo como um espaço sagrado e ferramenta de comunicação com todos os ancestrais que tenham boas intenções contigo segundo a sua (me refiro a você que está lendo) percepção e estejam alinhados com a sua vontade. Ancestrais que, em nenhuma hipótese tomem como aceitável te causar qualquer dano em qualquer esfera… seja material, mental, energética, espiritual, e et cetera. Seja o mais específice possível, afinal, seu altar vai funcionar como uma espécie de portal espiritual. Esteja atente! Você não quer seus espíritos ancestrais perambulando pelo plano físico, não é? Aja com cautela.

O que ofertar em um altar ancestral?

Qualquer coisa que fale diretamente aos seus ancestrais. Que reflita suas histórias. Que tenha algum tipo de ligação, significado ou associação. No meu caso, meus bisavós maternos por parte da minha avó trabalharam muito tempo de suas vidas no plantio e curtição de fumo, então, fumo me parece uma boa oferenda para eles. Uma de minhas tias tomava muito café em vida, então eu posso ofertar café para ela. Um dos meus melhores amigos, que já partiu, adorava uma bebida de maçã… desta forma, posso ofertar essa bebida para ele.

E por que ofertar algo para alguém que já faleceu? Pelo simples fato de que é uma maneira de dizer que você tem gratidão por toda a influência que tiveram em sua vida. É uma forma de honrar quem eles foram e como foram importantes para você. Tem gente que oferta flores, como se a pessoa viesse cheirar. E partindo deste pressuposto, o que impede de ofertar outra coisa? Nada.

Não precisa ofertar alimentos necessariamente, porque eles não vão consumir o alimento, de fato, mas aproveitar sua energia, para sobretudo, usarem em seu favor. Imagine ter aliados espirituais, mais conectados ainda por terem uma ligação direta com você através do sangue, ou ideais, com energia para te ajudar nas suas batalhas diárias. Não soa maravilhoso?

Não deixe suas oferendas mofarem ou apodrecerem no local. Mantenha sempre o seu altar como um espaço de honra e respeito à sua linhagem ancestral. Se você não tem o hábito de trocar as oferendas com muita frequência, pode ofertar coisas que duram bastante… frutas, alguns legumes e verduras. Na dúvida, você pode ofertar luz e água. Leite, mel, óleos, destilados e fermentados também podem ser uma boa ideia… imagine que alguma pessoa da sua linhagem ancestral tenha tido o hábito de consumir bebidas alcoólicas, a partir daí cabe a você decidir se é uma boa ideia ofertar algo do tipo.

Você pode fazer defumações, dedicando os aromas a eles… pode sobretudo, perfumar seu altar com um cheiro que algum ancestral gostava. Cabe a você. Abra-se a ouvir o que certamente eles terão de falar. E mais uma coisa… ancestral nenhum vai te pedir para fazer qualquer coisa ilícita, imoral, ou que possa te colocar em perigo.

E obviamente pode ofertar comidas. Especialmente comidas de família, que eram apreciadas por eles em vida. Pode ofertar desde um pouquinho do que você vai comer, a uma comida preparada especialmente para a ocasião.

E sobre consumir as oferendas?

Tem gente que consome, para não desperdiçar comida. E tem gente que não gosta de comer comidas ofertadas aos mortos, por acreditarem que a comida vai ficar com energia de morte. Você é livre para fazer da forma que melhor achar. Pessoalmente, não gosto da ideia de jogar comida no lixo, e acredito que os ancestrais podem imbuir o alimento ofertado de bênçãos para você. Mais uma vez, é questão de paradigma seu. Tenha em mente que pode ter alguns ancestrais que tenham sofrido com escassez de alimentos, e jogar fora pode se tornar uma ofensa. Na dúvida, fique com as opções mais universais, água e luz.

Não tenho espaço para montar um altar. E agora?

Você não precisa de uma mesa enorme ou de uma toalha cara. Uma foto de alguém importante para você na sua parede é um método de honrar sua ancestralidade. E se você não tem um espaço físico para fazer alguma oferenda, faça um brinde a eles, sempre que for fazer uma refeição. Ainda que só consiga colocar um pedacinho de pão em um banquinho abaixo da foto em sua parede, é válido. E é um gesto lindo! E o primeiro passo é começar o seu altar.

Luã Musi

http://www.bruxodelua.com
@bruxodelua


LINKS/BIBLIOGRAFIA:


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s